O Blog


"Contraponto – Respeito e Honra”, nome do blog, originou-se da troca de comentários com distinto amigo e leitor, quando da edição de nossa matéria “Painel da Verdade – Honra Nacional”, mais uma em que declinamos nosso ponto de vista a respeito da ignóbil, revanchista e repulsiva Comissão da Verdade, já aprovada pela Câmara Federal, dependendo, atualmente do Senado, cuja respectiva série de comentários se iniciou com a matéria "OEA", editada em dezembro passado, na qual criticamos a posição retrógada daquela Organização quanto aos acontecimentos do Araguaia.

Na matéria que deu ensejo a este blog, presente o agrupamento de propósitos decentes e honestos, sugerimos a criação de um Painel da Verdade, de modo a que se pudesse contrapor ao que de “ordinário” viesse daquela ignomínia, porquanto voltada para o que chamam de apuração dos “casos de graves violações de direitos humanos ocorridos durante a ditadura, assim como sua autoria, ou seja, uma Comissão formada por “sete pensantes”, indicados por “prócere” representante daqueles criminosos e vagabundos movimentos, com o intuito de criminalizar quem, na defesa da ordem constituída e da sociedade, honrou o País até com sua vida (há projeto claro neste sentido, aguardando, quiçá, o momento oportuno para os já conhecidos fins escusos). Processo nefasto e insidioso da quebra de princípios, valores e do respeito à Nação, iniciado após a Lei da Anistia.

Este blog, pois, e dentro do possível, se ocupará de acompanhar o funcionamento da inqualificável comissão, com suas idiossincrasias e inverdades, tal como se sinaliza, manifestando-se quando necessário, de modo a resgatar a verdadeira verdade histórica, como, também, editará comentários, opiniões, fotos, filmes, documentos etc., que forem encaminhados com o objetivo de contrapor os repulsivos atos.

Enquanto não se instala em definitivo, relacionaremos na coluna à esquerda do blog – Arquivos – matérias passadas e atuais, inclusive nossas, relacionadas, direta ou indiretamente, com a retrógada e já ultrapassada ideologia e, algumas, com a imoralidade criminal do "ilegítimo poder", agradecendo antecipadamente a quem conosco colaborar.
____________________________________________


Nós, brasileiros,
Mantemos uma fé comum,
de que o homem conhecerá pão e paz;
conhecerá justiça, honestidade,
liberdade e segurança;
oportunidades e chances iguais de fazer o melhor,
não só na própria pátria, mas em todo o mundo.

Nós, brasileiros de hoje,
estamos passando por um período de suprema prova:
prova da nossa coragem,
da nossa determinação,
da nossa sabedoria,
da essência de nossa democracia.

Se resistirmos a essa prova,
com êxito e honra,
teremos prestado um serviço de histórica importância;
serviço que homens, mulheres e crianças,
honrarão por todos os tempos.

O pior inimigo, não são os corruptos,
políticos e não políticos;
o pior inimigo, somos nós mesmos,
acomodados com a iniqüidade,
ou por ela vencidos.

Ao percebermos o mal que nos faz,
e ao próprio País,
não haverá desafios que não possam ser vencidos;
e por nós serão vencidos,
como poetas da guerra.

E, ao final de tudo,
com orgulho no espírito,
e amor no coração,
poderemos dizer:
nossa pátria, nossa terra,
nossa nação, nosso lar.

Assim vitoriosos,
teremos recuperado nosso passado,
nossa história, nosso civismo, nossa terra,
e, não menos importante, a nós mesmos.

(Flávio Bastos)

__________________________________________________

domingo, 18 de dezembro de 2011

Mini VI - o tiro: a razão para existência do guerrilheiro urbano


Segue o próximo parágrafo do "mini" que não é "mini" do manual do guerrilheiro urbano, conforme já comentando em matéria anterior, e que agora foi batizado de "o tiro: a razão para existência do guerrilheiro urbano."

Espero que esse "troço", "resgatado do limbo", de autoria do criminoso ao lado, contribua para que se assuma o respeito e honra pelo País.
_________________________

El Tiro: La Razon para la Existencia del Guerrillero Urbano
La razón para la existencia del guerrillero urbano, la condición básica para la cual actua y sobrevive, es el de disparar. El guerrillero urbano tiene que conocer como disparar bien porque es requerido por este tipo de combate. 

En la guerra convencional, el combate es generalmente a distancia con armas de largo alcance. En la guerra no-convencional, en el cual la guerra guerrillera urbana es incluida, el combate es a corta distancia, muy corta. Para evitar su propia extinción, el guerrillero urbano tiene que disparar primero y no puede equivocarse en su disparo. No puede malgastar sus municiones porque no tiene grandes cantidades, así que la tiene que ahorrar. Tampoco puede reemplazar sus municiones rápidamente, porque es parte de un grupo pequeño en cual cada guerrillero tiene que cuidarse por si solo. El guerrillero urbano no puede perder tiempo y debe de poder disparar de una sola vez. 

Un hecho fundamental, que queremos enfatizar completamente y cuya importancia fundamental no puede ser sobre-estimada, es que el guerrillero urbano no debe de disparar continuamente, utilizando todas sus municiones. Puede ser que el enemigo no este disparando precisamente, el esta esperando hasta que las municiones del guerrillero se hayan gastado. En tal momento, sin tener tiempo par reemplazar sus municiones, el guerrillero urbano enfrentara una lluvia de fuego enemigo y puede ser tomado prisonero o matado. 

A pesar del valor del factor sorpresa que muchas veces hace innecesario que el guerrillero urbano tenga que utilizar sus armas, no puede ser permitido el lujo de entrar al combate sin saber como disparar. Cara a cara con el enemigo, tiene que estar en movimiento constante de una, posición a otra, porque el quedarse en una sola posición lo convierte en un blanco fijo y, como tal, muy vulnerable. 

La vida del guerrillero urbano depende de disparar, en su habilidad de manejar bien las armas de pequeño calibre como también en evitar ser blanco. Cuando hablamos de disparar, hablamos de puntería también. La puntería debe de ser aprendida hasta que se convierta en un reflejo por parte del guerrillero urbano. 

Para aprender como disparar y tener buena puntería, el guerrillero urbano tiene que entrenarse sistemáticamente, utilizando cada método de aprendizaje, disparando a blancos, hasta en parques de diversión y en la casa. 

Disparo y la puntería son la agua y aire de un guerrillero urbano. Su perfección en el arte de disparar lo hacen tipo especial de guerrillero urbano - es decir, un franco-tirador, una categoría de combatiente solitario indispensable en acciones aisladas. El franco-tirador sabe como disparar, a poca distancia o a larga distancia, y sus armas son apropiadas para cualquier tipo de disparo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário